Tag

teatro

Browsing

(espetáculo selecionado em 2019)

O Festival de Teatro Infantil do Paraná (Festin Paraná) terá em sua próxima edição companhias dos Estados de São Paulo, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, Paraná, Minas Gerais e Rio de Janeiro. Previsto inicialmente para o período de 18 a 23 de agosto, o Festin Paraná deverá ter nova data anunciada pela organização, por conta do cenário de pandemia da Covid-19.

“O Festival de Teatro Infantil do Paraná cancelou a execução do projeto em agosto deste ano tendo em conta que o cenário que o país apresentará na época não será favorável para celebrações artísticas ou de qualquer outra natureza, pois levamos em consideração todas as vidas que estão sendo perdidas neste árduo caminho. Uma nova data será estudada e formalizada por nota oficial pelos canais de comunicação do festival”, explicou a produtora executiva do evento, Bruna Bayley.

O Festin é um projeto aprovado por meio da Lei de Incentivo à Cultura, e em respeito ao edital de chamamento para a seleção de espetáculos, a organização do Festin divulgou a lista de selecionados, mas também uma nota explicando a necessidade de repensar o formato do evento. De acordo com o edital, o Festin não se obriga a contratar todas as companhias relacionadas na listagem (nem de chamá-las na ordem em que estão colocadas), requisitando-as conforme logística, orçamento e disponibilidade dos equipamentos públicos culturais.

Devido às novas condições econômicas e de readequação orçamentária de empresas e setores públicos do país – provocadas pelo Coronavírus – os organizadores estão buscando a melhor maneira de viabilizar o festival. De acordo com a diretora geral do Festin, Cynthya Borges,o orçamento do festival deverá ser recalculado junto ao Ministério do Turismo e Secretaria Especial da Cultura e, se necessário, o projeto deverá ser readequado sem causar danos ao órgão público responsável pela sua aprovação, nem aos patrocinadores responsáveis pela sua viabilização.

Selecionados

Com o tema “Livre brincar, rir e cantarolar: espetáculos feitos para experimentar a infância e o esperançar”, a curadoria escolheu montagens pensadas especialmente para o público infantil, de forma lúdica, porém sem perder a criticidade e a reflexão. Foram 9 selecionados, de 207 inscritos.

O processo seletivo priorizou espetáculos que tivessem em suas propostas o imaginário infantil e o jogo de faz de contas – alguns mostrados a partir das experiências do livre brincar posto em cena, conforme explica uma das curadoras do Festin, Herica Veryano. “Tivemos também um olhar delicado para acolher a perspectiva da tradição oral representada pelos contadores e contadoras de histórias selecionados, transmitindo de uma geração a outra os contos de origem nacional e mundial. A comicidade também estará bem representada com os grupos de pesquisa clownesca que escolhemos. Outro ponto que levamos em consideração foi a musicalidade presente nos espetáculos, pois todos os trabalhos escolhidos para essa edição trazem à tona uma linguagem musical única, a maioria com canções originais e com dramaturgias refinadas, cuidadosamente pensadas para comunicar com o público infantil”, contextualiza Herica.

Conheça os escolhidos:

O Cravo e a Rosa – Uma Nova Canção (Grupo Paiol) – Arapongas/PR. Trabalho musical cômico com dramaturgia inteligente que parte da tradicional música da cultura popular, “O Cravo e a Rosa”.

Era uma vez: contos, lendas e cantigas (Rococó Produções Artísticas e Culturais) – Porto Alegre/RS. Em uma divertida mistura de técnicas de teatro, contação de histórias, dança e música, o espetáculo revisita histórias como a de Nossa Senhora Aparecida e a do Negrinho do Pastoreio com músicas do cancioneiro popular gaúcho e algumas compostas especialmente para a montagem.

Um golinho só (Cia Cornucópia De Teatro) – Ribeirão Preto/SP. Um trabalho com canções que aquecem o coração, executadas por atores-cantores. Em cena, eles contam a histó­ria da Vila da Pedra Quebrada, um vilarejo onde a água do ria­chinho, que outrora era cristali­na e abundante, passou a ser suja e escassa.

Os 3 porquinhos (Cia. Le PlatduJour) – São Paulo/SP. Um trabalho cômico especialmente pensado para crianças, com duas atrizes-palhaças de longa carreira, que apresentam essa versão irreverente e única do clássico “Os três porquinhos”.

A fada, a flor e a princesa (Teatro da Pedra) – São João del Rei/MG. Singelo, forte e emocionante, o espetáculo é encenado por três atrizes que contam histórias por meio de cantos populares de trabalho, de amorosidade e saudade.

Foi coisa de Saci (Cia Contacausos) – Chapecó/SC. Numa casa de caboclo, quando alguma coisa estranha acontece, as pessoas dizem que foi coisa de saci! O espetáculo faz um passeio pelos causos da nossa gente brasileira que jura que viu, ouviu e até já prendeu o danadinho na garrafa.

Brincante (Cia AristoClowntas) – Rio de Janeiro/RJ. A companhia apresenta um trabalho de palhaçaria com números clássicos, acrobáticos, magia, malabarismo, dentre outros. Garantia de ótimas risadas e muita interação.

Vida seca (Cia Manipuladora De Formas Etc i Tal) – Navegantes/SC. A companhia de bonecos apresenta, por meio da tradicional técnica de bonecos de luva, um cenário inspirado no romance Vidas Secas, de Graciliano Ramos e na obra de Portinari.  Poético e arrebatador.

Monstros e Cia (Cia Talagadá – Teatro de Formas Animadas) – Itapira/SP. Um grupo que trabalha com bonecos de diferentes formas e tamanhos, com uma música potente em cena, apresenta um universo monstruoso para a criançada, numa encenação grandiosa e inteligente.

Além desses espetáculos, os organizadores escolheram também três montagens adicionais, para o caso de desistência ou impossibilidade de agenda dos nove selecionados.

Suplentes:

Yaga, uma história para crianças corajosas (Severina Cia de Teatro) – Pindamonhangaba/SP

Espetáculo MalabaRindo (Cia. MB Circo) – Piracicaba/SP

O Menino e os sortilégios – Ópera para crianças de Maurice Ravel (Pequeno Teatro do Mundo) – Bragança Paulista/SP

Festin 2020

Todo o processo de inscrição desta edição foi online. Os interessados enviaram a ficha de inscrição preenchida além de um vídeo da peça e dos demais documentos exigidos no edital, que ficou disponibilizado no site do festival.

O Festin é patrocinado pela Syngenta Brasil e tem o apoio cultural dos Hotéis Bourbon – Cascavel.

 

foto julia rodrigues

Rapper ocupa o palco do Guairão para uma única apresentação.

 Ingressos estão à venda no site e pelo aplicativo do evento

 

 

Para um mundo em decomposição, Emicida optou por escrever como quem manda cartas de amor. O resultado desse exercício é o novo projeto de estúdio do rapper paulista, AmarElo, em que ele propõe um olhar sobre a grandeza da humanidade. O público da 29.ª edição do Festival de Curitiba terá o privilégio de ver o artista e sua obra no palco Guairão, dentro da Mostra 2020, nos dia 02 de abril.  No repertório estarão as novas canções, como a faixa-título e “Eminência Parda”, além de músicas que marcaram a sua carreira.

Desde que começou a dar os primeiros passos no rap, nas batalhas de freestyle, lá pelo ano de 2006, Leandro Roque de Oliveira, o Emicida, sabia que queria ter uma carreira sólida. Talvez ele não soubesse que construiria alicerces consistentes o suficiente para ir além da sua própria trajetória. Assim, se tornou a principal referência da sua geração no rap, criou, ao lado do irmão, Evandro Fióti, uma empresa – a Laboratório Fantasma -, que é responsável por outros artistas, mas também cuida de merch, tem estúdio, selo, etc. Um negócio tido como case de sucesso e inspiração no mercado da música.  Mas mais do que sucesso, Emicida tem a vontade de tocar a vida das pessoas. E a sua trilha sonora de artista nascido na Zona Norte foi perfeita para contar essa história. Com o lançamento da primeira mixtape, Pra Quem Já Mordeu um Cachorro por Comida Até que Eu Cheguei Longe (2009), Emicida chamou a atenção do público, da imprensa e dos contratantes. O trabalho produzido de forma artesanal e vendido (por ele) a dois reais nas ruas o levou aos principais festivais do Brasil e do mundo, incluindo Rock in Rio, Roskilde (Dinamarca) e Coachella (EUA). Após duas mixtapes e dois EPs, o rapper paulista ganhou notoriedade para além do nicho do rap com o seu primeiro disco de estúdio, O Glorioso Retorno de Quem Nunca Esteve Aqui (2013), que teve participação de Pitty, Wilson das Neves, Tulipa Ruiz, entre outros.

 “Não se trata de um disco simplesmente dedo-na-cara, de cenas cuspidas na cara do ouvinte. Há lucidez, música, e, principalmente, poesia”, afirmou o jornal O Globo na época do lançamento. O mesmo se deu com o sucessor Sobre Crianças, Quadris, Pesadelos e Lições de Casa (2015). Inspirado em uma viagem por Angola e Cabo Verde, trouxe participações de nomes do calibre de Caetano Veloso e Vanessa da Mata. Este foi indicado ao Grammy Latino – a outra indicação de Emicida à premiação foi com a música “A Chapa É Quente”, do projeto Língua Franca (2017), parceria em que ele, Rael e os rappers portugueses Capicua e Valete celebram a língua comum entre os dois países.

Em paralelo, a Laboratório Fantasma deu um passo crucial para a consolidação da marca LAB. Em 2016, estreou na São Paulo Fashion Week, maior evento de moda da América Latina, com um desfile histórico. “Felizmente, o desfile da LAB em nada se parece com o que se vê na SPFW. Só pela seleção de modelões, 90% formada por negros e alguns do mercado plus size, a marca já se destaca”, afirmou o jornal O Estado de S. Paulo sobre a estreia. “Entende-se a beleza de uma maneira pobre, a gente quis enriquecer isso, colocar pessoas que encontro nas calçadas todos os dias. A gente perde quando não reconhece essa beleza”, disse Emicida àquela altura.

A discografia do rapper ganhou um novo episódio em 2018, quando lançou o seu primeiro DVD ao vivo. O registro foi feito no ano anterior, no dia 20 de novembro, Dia da Consciência Negra, e teve como mote os 10 anos do single “Triunfo”. Outros frutos de 2018 foram: o single “Hacia El Amor”, com o duo franco-cubano Ibeyi; e o seu primeiro livro infantil, intitulado Amoras. Em 2019, ano em que a LAB completou 10 anos, Emicida conseguiu olhar pra trás com êxito, mas ainda mira o futuro. Hoje, tem o entendimento do todo que foi feito até aqui: um experimento social que ainda está em construção.

Acompanhe todas as novidades e informações da Mostra 2020 do Festival de Curitiba pelo site www.festivaldecuritiba.com.br, pelas redes sociais disponíveis, no Facebook @fest.curitiba, pelo Instagram @festivaldecuritiba e pelo Twitter @fest_curitiba

 

Apresentadores, patrocinadores e apoiadores

 

O Festival de Teatro de Curitiba tem parceiros fundamentais para sua realização e é patrocinado pelo Ebanx, Vivo, Uninter, Renault do Brasil, Electrolux, Banco RCI Brasil, Junto Seguros, Copel – Pura Energia, Sanepar, Governo do Estado e GRASP. O Programa Guritiba é apresentado por New Holland, com patrocínio de Novozymes e Fibracem. O MishMash é apresentado pela Unimed Curitiba e Thales Group, com o apoio da Ritmo Logística. Quem apresenta o Risorama é a Potencial Petróleo, com o patrocínio de Previsul Seguradora, tendo como a cerveja oficial a Cacildis e o apoio de FH Consultoria e Grupo Barigui. As bilheterias do Festival de Curitiba são uma parceria com o ParkShoppingBarigüi e o Shopping Mueller.

 

 

FICHA TÉCNICA:

Direção Geral: Emicida e Evandro Fióti
Direção Musical: Julio Fejuca
Cenografia: Zé Carratu
Conteúdo: Studio Curva
Coordenação de Produção: Raissa Fumagalli
Produção Executiva: Lohana Schalken
Produção Técnica: BillSaramiolo
Técnico de PA: Nivaldo Costa
Técnico de Monitor: Flávio Brandão
Iluminador: Dalmir Vianna
Roadie: Gabriel Izidoro
VJ: Leonardo Patrevita.

Banda: Baixo, cavaco e violão – Julio Fejuca. Guitarra, violão baixo e backvocal – Michelle Lemos. Bateria, bateria eletrônica e percussões – Silvanny Sivuca. Toca-discos e backing vocal – Dj Nyack.

 

 

Serviço:

O que: Emicida no Festival de Curitiba 2020

Quando: 02/04 às 21h

Onde: Guairão (Praça Santos Andrade)

Valores:  R$ 80,00 (inteira)

Ingressos: www.festivaldecuritiba.com.br, pelo aplicativo “Festival de Curitiba 2020”, e nas bilheterias físicas do ParkShoppingBarigui (Piso térreo próximo à praça de eventos), de segunda a sexta-feira, das 11h às 23h; sábado das 10h às 22h e domingos das 14h às 20h; e no Shopping Mueller (piso L3), de segunda-feira a sábado, das 10h às 22h; domingos e feriados, das 14h às 20h.

Classificação: LIVRE
Duração: 90´

SETE. Número da Perfeição. Codinome da Morte

SINOPSE: SETE representa a heroína trágica, mulher sequestrada, violentada, que estabelece uma relação com o médico responsável por não deixar que as pessoas morram em tortura. A peça traz uma denúncia poética que colabora para fazer reverberar os casos de violência cometida contra mulheres em todo mundo.

RELEASE:

Dia 3 de outubro estreia a peça SETE, com direção de Thadeu Peronne. O texto de Dione Carlos é inspirado na história real da advogada líbia Eman al-Obeidi que invade um hotel e denuncia ter sido estuprada por quinze soldados, durante dois dias seguidos. A peça fica em cartaz até dia 20 de outubro, de quarta a domingo, no MINIGUAÍRA.

SETE reverbera a violência cometida contra mulheres em todo planeta: pode ser contra as ancestrais indígenas e negras, ambas escravizadas nas mãos dos colonizadores ou as mulheres judias em campos de concentração ou, ainda, as meninas mantidas em cativeiro pelo tráfico no Rio de Janeiro, passando pelos barracões de estupro na Bósnia, estupros coletivos no Congo, na Índia, no Brasil…

“O estupro. A morte. As injustiças. A Vida. A incapacidade de comunicação. A ausência de oxigênio. Os exércitos. As balas dos canhões, as metralhadoras… E um universo paralelo, renascimento, morte… SETE fala de tudo isso. É uma denúncia poética que traz para o palco a energia da mulher, um jogo de vozes e harmonias musicais, uma fricção de cores, de sentimentos”, define o diretor Thadeu Peronne.

CONJUNÇÃO CÓSMICA

Peronne também gosta de pensar SETE como “uma conjunção cósmica com a psiquê humana. SETE pulsa no universo como um pedido de justiça. Um texto providencial nos dias de hoje. É para catapultar emoções num universo realista não muito distante do que estamos vivendo hoje.  Para nos fazer renascer e ir para frente nesse mundo em que se vive no limiar do humano”.

Além das apresentações, estão previstas palestras sobre os temas que permeiam a peça como violência, opressão e cultura do estupro.

No palco, os atores Ana Paula Taques, Erica Colognezi, Geisa Costa, Gideão Ferreira e Leonardo Goulart. Basicamente, não há personagens, mas vozes/figuras. Também não há linearidade dramática. Há paisagens. Em alguns momentos o que se pode definir por “cosmovisão anímica” ganha o palco. É possível conceber a voz e a alma de objetos inanimados como uma faca ou uma banheira. SETE possibilita, ainda, uma aproximação com a antiguidade clássica. Assim como em Antígona, de Sófocles,os códigos da sociedade são desafiados.Para os egípcios, Sethe era o Deus do caos e da guerra, presentes no imaginário de SETE. A peça é permeada pela espiritualidade.

A dramaturga Dione Carlos lembra que “o diretor Thadeu Peronne está há sete anos batalhando para montar a peça e agora consegue. Sete anos para montar SETE, isso deve significar algo, talvez saibamos um dia…Eu acredito realmente que o texto escolhe as pessoas e ele deve ter sido escolhido por esse texto que é o despertar de Lilith, é Iansã tomando parte do fogo de Xangô para si… É o momento de virada das mulheres, em que passamos da paralisia causada pela dor e a ignorância, ao movimento que o renascimento e o conhecimento trazem”.

SERVIÇO:
SETE

Data: 03 a 20 de outubro

Horário: quarta, quinta e sexta, às 20h
sábado, às18h e 20h
domingo, às 17h e 19h

Local: MINIGUAÍRA – Rua Amintas de Barros, s/nº

Ingresso: R$ 15 (inteira) R$ 7,50 (meia) – Comprar no local ou no site http://www.ticketfacil.com.br/

Classificação: 14 anos

Duração: 60 minutos

PALESTRAS

Tema: Violência, opressão e cultura do estupro com a atriz Ludmila Nascarella e a advogada Xênia Mello
Data: 08 de outubro, às 20h

Tema: Psiquê da mulher atual em tempos de cultura do estupro com a professora e psicoterapeuta Rosângela Cardoso e a psicóloga Semíramis Vedovatto
Data: 15 de outubro, às 20h

Local: MINIGUAÍRA – Rua Amintas de Barros, s/nº

Ingresso: gratuito

O DIRETOR

Thadeu Peronne é ator, produtor e diretor teatral.  Em quase 30 anos de profissão já foi premiado duas vezes como melhor ator do Paraná com o prêmio Gralha Azul. Fez parte do CPT, Centro de Pesquisa Teatral de Antunes Filho, em São Paulo. Inlfuenciado por seus estudos, por um período de um ano, com dramaturgos franceses, montou Imprecações do filósofo Michel Deutsch. Lotou plateias em São Paulo e Curitiba na direção, ao lado de Mazé Portugal, de Cold Meat Party. Plateias lotadas também ao ser dirigido por Laércio Ruffa em os Bobos de Shakespeare, que permaneceu três anos em cartaz.  Os últimos espetáculos dirigidos por ele, AmorexiA e As Aves de Aristófanes, foram sucesso de público e crítica em Curitiba.

A DRAMATURGA

Dione Carlos é dramaturga formada pela SP Escola de Teatro. Cursou Jornalismo na Universidade Metodista de São Paulo. Atua como dramaturga em parceria com cias de teatro. É orientadora artística do Núcleo de Dramaturgia da Escola Livre de Santo André e dramaturga convidada do projeto espetáculo da Fábrica de Cultura da Brasilândia. Possui quinze textos encenados, publicações em revistas, sites e coletâneas de dramaturgia. Lançou seu primeiro livro em 2017: Dramaturgias do Front. No início da carreira fez parte da Companhia Teatro Promíscuo, onde atuou em Admirável Mundo Novo.

FICHA TÉCNICA

Texto: Dione Carlos
Direção: Thadeu Peronne
Elenco: Ana Paula Taques, Erica Colognezi, Geisa Costa, Gideão Ferreira e Leonardo Goulart
Iluminação: Rodrigo Ziolkowski
Música original: Harry Crawl
Criação de cenário, figurino e adereços: Paulinho Maia
Preparação corporal: Carmela Ferraz
Projeção mapeada e vídeos: Alan Raffo
Fotos: David D’Visant
Ilustração original: Rony Bellinho
Design Gráfico: Rafael Jubainski
Produção Executiva: Mazé Portugal
Produção: Thadeu Peronne Produções Artísticas

foto matheus jose maria

Grupo borra fronteiras entre ficção e realidade e mistura as vivências de cada um dos integrantes com a narrativa do poema épico e a presença indispensável do público

Os dez anos da Cia. Hiato, de São Paulo, foram comemorados em 2018 com o espetáculo “Odisseia”, que agora chega à Mostra 2019 do Festival de Curitiba, nos dias 5 e 6 de abril no Sept (Setor de Educação Profissional e Tecnológica, da UFPR). Desde a sua criação navegando pelo mesmo núcleo criativo, a Cia. Hiato já conta com seis espetáculos de grande alcance de público e, não à toa, nesta apresentação traz uma interpretação muito pessoal do poema épico grego que narra as aventuras de Odisseu (ou Ulisses), associado às experiências do grupo.

Nesta incursão, a companhia testa os limites entre a responsabilidade individual e coletiva, questionando artisticamente o que é, afinal, “estar disponível ao outro”? Como poetas antigos, os atores recontam odisseias pessoais e coletivas, oscilando entre realidade e fantasia.

A experiência das narrativas que margeiam a Odisseia desafia os contrastes entre ficção e realidade, público e privado, borrando as fronteiras entre atores e espectadores. A partir da conhecida história de um homem que deixou seu lar e seu coração para lutar uma guerra e acabou por vagar por 10 anos tentando voltar para casa, a Cia Hiato convida o público a tomar o lugar do protagonista ausente, Odisseu, e navegar por diferentes ilhas.

Os sete atores desenlaçam memórias, dúvidas e sonhos a partir dos personagens e narrativas do épico grego: o abandono do filho Telêmaco; a rejeição de Calipso; o corpo de Circe; a violência estratégica de Atena; o fogo de Héstia; a espera de Penélope.

Uma viagem a um só tempo íntima e grandiosa que apresenta o encontro entre o ridículo da nossa vida ordinária e a força mítica das histórias que ainda tentam nos explicar. Porque, depois de tudo dito e feito, podemos igualmente ser ordinários e míticos.

Durante uma década, Ulisses só́ pensa em seu retorno. Mas, ao voltar à terra de origem, compreende, surpreso, que sua vida encontrava-se fora de Ítaca. Sua vida era sua própria navegação e só reencontraria esse tesouro se contasse tudo o que viveu. Mas em Ítaca, Ulisses não era um estrangeiro: era um deles. E, por isso, ninguém lhe pedia que contasse sua própria história.

Criada em completa colaboração com o público, “Odisseia” examina como nos agrupamos coletivamente, especialmente num espaço social que é o teatro, nos organizamos e cuidamos dos corpos que compartilham o mesmo espaço. Assim como a narrativa das aventuras de Ulisses, a peça nelas inspirada é o resultado de uma longa jornada de retorno, que envolveu uma série de outras atividades, sempre abertas ao público.

Vídeo: https://vimeo.com/299124213

Apresentadores, patrocinadores e apoiadores

O Festival de Teatro de Curitiba tem parceiros fundamentais para sua realização e é apresentado pelo Banco RCI Brasil, com patrocínio da Junto Seguros, EBANX, Uninter GRASP, Cielo, Renault do Brasil, Sanepar, Copel e Governo do Estado do Paraná.
Os eventos simultâneos – Programa Guritiba, Mish Mash, Gastronomix e Risorama -, igualmente, contam com o apoio de parceiros importantes para levar a arte, cultura e entretenimento ao público.
O Programa Guritiba é apresentado por Caterpillar e Perkins Motores, com patrocínio da Tradener Comercialização de Energia e tem como apoiadores as empresas Novozymes, New Holland, Mili e Savana | Mercedes-Benz. São parceiros também na realização do Guritiba a Berneck, Brose do Brasil e o BRDE.
O Banco RCI Brasil, Instituto Grupo Boticário e a Denso do Brasil apresentam o Mish Mash, evento que tem também o patrocínio da Unimed Curitiba e Rumo.
O Risorama é apresentado pela Potencial Petróleo e Restaurante Madero e patrocinado por Lojas Havan, FH e Ferramentas Worker. O segmento de stand up comedy do Festival de Curitiba tem também o apoio do Grupo Barigui. A cerveja oficial do evento é a Cacildis.
O Gastronomix, por sua vez, é apresentado por Electrolux, tem o patrocínio da Melitta e o apoio da Electra Energy, Da Magrinha e da Ritmo Logística. Conta ainda com a Oxford como fornecedora da louça oficial do evento. Stella Artois é cerveja oficial do evento.
As bilheterias do Festival de Curitiba são uma parceria com o ParkShoppingBarigüi e o Shopping Mueller.

Ingressos

A venda dos ingressos será pelo site www.festivaldecuritiba.com.br, pelo aplicativo “Festival de Curitiba 2019” e nas bilheterias oficiais do evento, no ParkShoppingBarigüi (Piso Superior – Lado Norte), de segunda a sexta, das 11h às 23h, no sábado, das 10h às 22h e, aos domingos, das 14h às 20h; e no Shopping Mueller (Piso L3), de segunda a sábado, das 10h às 22h, domingos e feriados das 14h às 20h.

Acompanhe todas as novidades e informações pelo site, pelas redes sociais disponíveis, no Facebook @fest.curitiba, pelo Instagram @festivaldecuritiba e pelo Twitter @fest_curitiba

FICHA TÉCNICA

Direção: Leonardo Moreira. Escrito por: Aline Filócomo, Aura Cunha, Fernanda Stefanski, Leonardo Moreira, Luciana Paes, Maria Amélia Farah, Paula Picarelli e Thiago Amaral. Elenco: Aline Filócomo, Aura Cunha, Fernanda Stefanski, Luciana Paes, Maria Amélia Farah, Paula Picarelli e Thiago Amaral. Assistência de Direção e Codireção: Aura Cunha e Luciana Paes. Dramaturgismo: Mariana Delfini. Iluminação e Cenografia: Marisa Bentivegna. Direção Audiovisual e Arte Gráfica: Laerte Késsimos. Trilha Sonora: Miguel Caldas. Figurinos: Chris Aizner. Objeto de Cena (Argos), Operação de Vídeo e Assistência de Palco: Cezar Renzi. Voz em off (Penélope – grego): Angeliki Papoulia. Voz em off (Odisseu – espanhol): Sebastian de la Cuesta. Fotos: Elina Giounanli e Ligia Jardim. Registro em Vídeo: Ricardo Sêco. Direção de Produção: Aura Cunha. Produção Executiva: Yumi Ogino. Produção Internacional: Ligne Directe, Judith Martin e Marie Tommasini.  Coprodução: Sesc São Paulo; Onassis Cultural Centre – Atenas/Grécia; Mousonturm – Frankfurt/Alemanha; Grand Theatre – Groningen/Holanda. Idealização: Cia. Hiato e Elephante Produções Artísticas.

04 E 05 DE ABRIL ÀS 18H NO SEPT (R. Dr. Alcides Vieira Arcoverde, 1225 – Jardim das Americas)

Evento que abre oficialmente o maior festival de artes cênicas do Brasil será no Teatro Guaíra e contará com cerimônia oficial,
apresentação do espetáculo do premiado coreógrafo, bailarino e acrobata francês Yoann Bourgeois e festa comemorativa para convidados


Nesta terça-feira (26) Curitiba se transformará, durante duas semanas, em um grande palco, com a chegada do 28ª edição do Festival de Curitiba, com mais de 400 atrações até o dia 7 de abril. Como já é tradição, a cerimônia e festa de abertura está programada para às 20 horas, no Teatro Guaíra. Estarão presentes autoridades, empresas parceiras, imprensa, classe artística, formadores de opinião e convidados especiais.

Após a solenidade, o espetáculo “Celui qui Tombe – Aquele que Cai”, do renomado artista francês Yoann Bourgenois e sucesso em toda a Europa, estreia no Brasil para a plateia presente no evento. Uma apresentação da peça para o público em geral, no dia 27, ainda está com ingressos disponíveis, por meio dos canais de bilheteria oficial do Festival de Curitiba.


Espetáculo de Abertura
 – Em uma plataforma de madeira de seis metros por seis metros, suspensa a dois metros, que desce, sobe, balança e gira em torno do seu eixo principal, seis bailarinos correm, andam, se rendem ao movimento em busca de formas, tanto individual como coletivamente, de se relacionarem com a força gravitacional existente. Essa é a dinâmica do espetáculo “Celui qui Tombe – Aquele que Cai”. Ao invés de iniciar o movimento, cada um deles reage a ele. Yoann Bourgeois cria cada um de seus shows como um jogo para experimentar novos princípios físicos. Na performance, os “jogadores” trabalham contra forças centrífugas e centrípetas, tentando manter o equilíbrio, evitando ser o que cai (Celui qui tombe), tonando o espetáculo fascinante e esclarecedor, ágil, arrojado e com grande força poética.

Acompanhe todas as novidades e informações pelo site do Festival de Curitiba (www.festivaldecuritiba.com.br), pelas redes sociais disponíveis, no Facebook @fest.curitiba, pelo Instagram @festivaldecuritiba e pelo Twitter @fest_curitiba

Apresentadores, patrocinadores e apoiadores

 

O Festival de Teatro de Curitiba tem parceiros fundamentais para sua realização e é apresentado pelo Banco RCI Brasil, com patrocínio da Junto Seguros, EBANX, Uninter GRASP, Cielo, Renault do Brasil, Sanepar, Copel e Governo do Estado do Paraná.

 

Os eventos simultâneos – Programa Guritiba, Mish Mash, Gastronomix e Risorama -, igualmente, contam com o apoio de parceiros importantes para levar a arte, cultura e entretenimento ao público.

 

O Programa Guritiba é apresentado por Caterpillar e Perkins Motores, com patrocínio da Tradener Comercialização de Energia e tem como apoiadores as empresas Novozymes, New Holland, Mili e Savana | Mercedes-Benz. São parceiros também na realização do Guritiba a Berneck, Brose do Brasil e o BRDE.

 

O Banco RCI Brasil, Instituto Grupo Boticário e a Denso do Brasil apresentam o Mish Mash, evento que tem também o patrocínio da Unimed Curitiba e Rumo.

 

O Risorama é apresentado pela Potencial Petróleo e Restaurante Madero e patrocinado por Lojas Havan, FH e Ferramentas Worker. O segmento de stand up comedy do Festival de Curitiba tem também o apoio do Grupo Barigui. A cerveja oficial do evento é a Cacildis.

 

O Gastronomix, por sua vez, é apresentado por Electrolux, tem o patrocínio da Melitta e o apoio da Electra Energy, Da Magrinha e da Ritmo Logística. Conta ainda com a Oxford como fornecedora da louça oficial do evento. Stella Artois é cerveja oficial do evento.

 

As bilheterias do Festival de Curitiba são uma parceria com o ParkShoppingBarigüi e o Shopping Mueller.

 

Ingressos

Os ingressos para os espetáculos em cartaz nos espaços administrados pelo Centro Cultural Teatro Guaíra (Guairão, miniauditório, Guairinha e José Maria Santos) estão disponíveis apenas pelo site e pontos de venda do Disk Ingressos. Os ingressos para as demais 1330 sessões seguem disponíveis nos canais oficinais do evento: pelo site (www.festivaldecuritiba.com.br), aplicativo “Festival de Curitiba 2019” e nas bilheterias físicas do ParkshoppingBarigüi (Piso Superior – Lado Norte) e Shopping Mueller(Piso L3).

foto filipe lisboa

Os textos de Diário de Bordo são contos poéticos e literários já publicado em coletâneas pela Edit Rumos, na qual a autora Maria Sampaio ganhou o prêmio Jovem Escritora do Paraná, em seguida ela publicou Vicentinho e Efeito Condor inédito ambas pela Giostri.

Tratá-se de 03 esquetes na qual a Isadora Ribeiro interpreta 03 personagens: Uma Senhorinha, uma moça reprimida e um rapaz.

Todos com técnicas teatrais diversas, como pantomina e máscara.

A direção é de Roberto Innocente , trilha sonora de Ney Carrasco e produção de Guilherme Oliveira.

E em Curitiba RP do Portal Flash Curitiba by, Ale Maya.

Diário de Bordo foi escolhida pelo Sesc\Pr para comemorar os 68 anos daquela instituição, no Guairinha e se apresentou em diversas cidades dos Paraná, tais como: Pinhais, Lapa, Caiobá e Jacarezinho. Também esteve em cartaz no Rio de Janeiro.

www.sescpr.com.br/2016/02/isadora-ribeiro-faz-plateia-no-sesc-caioba/

SERVIÇO: 

Diário de Bordo – Isadora Ribeiro

Dias 03 e 04 de Abril

Quarta e quinta, às 21h.

Local: Teatro Lala Schneider

End.: Rua: Treze de Maio, 629 – Centro

Ingressos:  www.festivaldecuritiba.com.br, aplicativo: Festival de Curitiba 2019.

Nas bilheterias físicas: ParkShoppingBarigui: (piso superior), de segunda a sexta-feira, das 11h às 23h; sábado das 10h às 22h e domingos das 14h às 20h; e no Shopping Mueller (piso L3), de segunda-feira a sábado, das 10h às 22; domingos e feriados, das 14h às 20h.

Entre os dias 12 de julho e 12 de agosto sete companhias de teatro de Curitiba somam esforços e dividem o palco do Teatro Novelas Curitibanas durante a II Mostra Emergente. Nesta segunda edição, os grupos travam um diálogo dentro e fora de cena, levando para mesas de debate questões atuais do teatro contemporâneo. Assim como no ano anterior, o esforço colaborativo foi a chave para a viabilizar a proposta financeiramente.

Este ano serão levadas ao público produções que passeiam por diversas vertentes artísticas. Desde o teatro de bonecos, até a teatro contemporâneo passando pelo teatro de rua e pela cena feminista. A mostra é formada pelas companhias Cia Projétil de Teatro, Cia Corpa, [A]grupa ORGÓSMICA, Cia dos Cães, Cia Laica, Grupo Olho Rasteiro e Cia. Sonora.

Com esse clima de  “Um polaco de cada colônia “, essas forças artísticas voltam a se encontrar este ano, promovendo uma rica troca de vivências teatrais, e fazendo emergir a cultura durante cinco semanas intensas de espetáculos.

Assim como no ano passado a II Mostra Emergente é viabilizada pela venda de rifas de produtos financiados por apoiadores do comércio local, como chopp artesanal, mapa astral, sessão de massagem, ensaio fotográfico e até bolo de aniversário. Ao comprar uma rifa, o mesmo bilhete também vale automaticamente como entrada para qualquer espetáculo da Mostra.

É possível adquirir as Rifas diretamente com os grupos – através do Facebook de cada uma –  e também através do face da Mostra: Facebook.com/mostraemergente.

SERVIÇO

II MOSTRA EMERGENTE

Quando: de 12 de julho a 12 de agosto

Onde: Teatro Novelas Curitibanas (Rua Presidente Carlos Cavalcanti, 1222, Curitiba-PR)

Horário: De quinta a domingo sempre às 20h00 (confirmar programação no site do evento)

VENDA DE RIFAS (Cada bilhete vale também como um  ingresso da II Mostra Emergente)

Pelo site: Facebook.com/mostraemergente.

Instagram: @mostraemergente

Pelo segundo ano, companhias de teatro viabilizam mostra independente com rifa cultural

Já estão a venda os bilhetes que garantem, tanto participar do sorteio de prêmios, quanto a entrada nos espetáculos da II Mostra Emergente, realizada entre 12 de julho e 12 de agosto no teatro Novelas Curitibanas.

No ano passado a Mostra Emergente ganhou destaque na cena teatral paranaense com uma proposta de 5 companhias – de diferentes vertentes, mas todas com um diálogo aberto com o teatro contemporâneo, – de ocupar um espaço teatral para construir um diálogo entre os grupos da cidade.

Naquela ocasião os artistas viabilizaram cinco semanas de apresentações e debates por meio da venda de rifas de produtos tipicamente curitibanos, financiados por apoiadores do comércio local. Cortes de cabelo, bolo de aniversário, mapa astral, barril de chopp, quadros e outros prêmios foram o chamariz dessa estratégia. Ao comprar uma rifa, o mesmo bilhete também vale automaticamente como entrada para qualquer espetáculo da Mostra.

A estratégia deu certo. Os espetáculos tiveram viabilidade financeira e retorno para os realizadores. Uma prova de  onde há urgência, também há vontade de encontrar caminhos para realizar, mesmo sem o apoio formal dos órgãos culturais tradicionais.

Este ano serão levadas ao público as produções artísticas de sete companhias de diferentes vertentes, que vão do teatro de bonecos, até a teatro contemporâneo passando pelo teatro de rua e pela cena feminista.

Com esse clima de  “Um polaco de cada colônia “, essas forças artísticas voltam a se encontrar este ano, promovendo uma rica troca de vivências teatrais, que vão transcender os palcos para as mesas redondas dos Diálogos Emergentes, outro elemento da programação da II Mostra Emergente que pretende fazer soar o diapasão do viver artístico também através da reflexão e do debate.

A mostra é formada pelas companhias Cia Projétil de Teatro, Cia Corpa, [A]grupa ORGÓSMICA, Cia dos Cães, Cia Laica, Grupo Olho Rasteiro e Cia. Sonora.

É possível adquirir as Rifas diretamente com os grupos – através do Facebook de cada uma –  e também através do face da Mostra: Facebook.com/mostraemergente.

SERVIÇO

II MOSTRA EMERGENTE

Quando: de 12 de julho a 12 de setembro

Onde: Teatro Novelas Curitibanas (Rua Presidente Carlos Cavalcanti, 1.222, Curiitba-PR)

Horário: De quinta a domingo sempre às 20h00 (confirmar programação no site do evento)

VENDA DE RIFAS (Cada bilhete vale também como um  ingresso da II Mostra Emergente)

Pelo site: www.mostraemergente.com e Facebook.com/mostraemergente

Instagram @mostraemergente

foto guga melgar

O ator interpreta textos de Manoel de Barros, numa narrativa cheia de poesia e humor. Ele apresenta um novo olhar sobre a vida, numa linguagem inovadora e surpreendente.

A CAIXA Cultural Curitiba apresenta, dias 05, 06, 07 e 08 de julho de 2018, a peça “O Delírio do Verbo”, com o ator Jonas Bloch interpretando textos de Manoel de Barros. Uma narrativa cheia de poesia e humor, que traz um novo olhar sobre a vida, numa linguagem inovadora, surpreendente.

O renomado ator Jonas Bloch, com mais de cinco décadas atuando em televisão, teatro e cinema, apaixonou-se pelos textos de Manoel de Barros e selecionou os que se adaptavam ao teatro para realizar esse espetáculo.

Serviço:

Teatro: “O Delírio do Verbo”, com Jonas Bloch

Local: CAIXA Cultural Curitiba

Endereço: Rua Conselheiro Laurindo, 280 – Curitiba (PR).

Data: dias 05, 06, 07 e 08 de julho de 2018

Horário: de quinta a sábado, às 20h e domingo, às 19h.

Na estreia dia 05/07, haverá intérprete de libras e bate-papo com o ator.

Classificação indicativa: 14 anos

Duração: 50 minutos

Ingressos: R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia) – conforme legislação e correntistas que pagarem com cartão de débito CAIXA. A compra pode ser feita com o cartão vale-cultura.

*Vendas a partir do dia 30/06 (sábado), na bilheteria do local.

Bilheteria: (41) 2118-5111 (De terça a sábado, das 12h às 20h. Domingo, das 14h às 19h).

Lotação máxima: 125 lugares (2 para cadeirantes)

 

A adaptação de uma das maiores obras literárias brasileiras é, na verdade, uma apropriação. “Memórias Póstumas de Brás Cubas” é considerado uma espécie de revolução na maneira de contar uma história e Machado de Assis, seu criador, um revolucionário da escrita e das palavras. A obra conta a história de Brás Cubas que, morto, começa a relatar as próprias memórias. No palco pelo Grupo Delírio, a liberalidade poética de Machado, munido da sua conhecida sutileza, ironia fina e humor negro. Este ano o livro é cobrado no vestibular da Universidade de São Paulo – USP.

O espetáculo fala da criatura humana, as imperfeições, sonhos de ilusão e desejos. Tudo pela boca de um morto, ou seja, alguém que não pode mais ser reprimido ou condenado por dizer o que pensa. Se o conteúdo de “Memórias Póstumas de Brás Cubas”, publicado em 1881, já é inovador e provocativo, em sua forma é mais ainda. Machado de Assis conversa abertamente com o leitor, rompendo com diversos conceitos da escrita linear ou formal. Ora erudito, ora popular, ora didático, ora poético ao extremo, ele desliza sua literatura em pouco mais de 300 páginas de puro prazer e genialidade.

Em pouco mais de uma hora, a encenação do Grupo Delírio busca dar forma e sentido a um romance tão fundamental para a cultura brasileira. É, ao mesmo tempo, uma reverência e uma homenagem ao maior romancista brasileiro.  É puro exercício de teatralização. Mais do que criação de personagens, é colocar o ator num estado de interpretação onde a intimidade da plateia aprofunda-se à medida que a literatura assim exige. Machado de Assis foi um escritor, pensador, quase filósofo. Deixou para as gerações um pensamento profundo sobre o homem e sua relação com a vida, com a política, com a família, com o próximo. Às vezes pessimista, às vezes irônico, às vezes suave e poético; ele continua tendo muito a dizer para as novas gerações. “Encená-lo é abrir uma porta para o melhor da cultura brasileira e uma oportunidade rara de pensar e refletir com o teatro e com a escrita original de um dos mais importantes romancistas de nosso país”, opina o diretor do espetáculo, Edson Bueno.

Serviço

“Memórias Póstumas + Machado de Assis”

Apropriação/adaptação do romance “Memórias Póstumas de Brás Cubas”, de Machado de Assis

Até 24 de junho de 2018

Sextas e sábados – 20 horas

Domingos – 19 horas

Local: Estúdio Delírio – Rua Saldanha da Gama, 69. Alto da XV (Curitiba-PR)

Ingresso: R$ 40 e R$20.

Direção Edson Bueno

Elenco: Diogo Cavazotti, Gabriel Comicholi e Robysom Souza

Iluminação: Leo Campos

Cenário: Robysom Souza

Sonoplastia: Edson Bueno

Figurino: José Rosa

A adaptação de uma das maiores obras literárias brasileiras é, na verdade, uma apropriação. “Memórias Póstumas de Brás Cubas” é considerado uma espécie de revolução na maneira de contar uma história e Machado de Assis, seu criador, um revolucionário da escrita e das palavras. A obra conta a história de Brás Cubas que, morto, começa a relatar as próprias memórias. No palco pelo Grupo Delírio, a liberalidade poética de Machado, munido da sua conhecida sutileza, ironia fina e humor negro. Este ano o livro é cobrado no vestibular da Universidade de São Paulo – USP.

O espetáculo fala da criatura humana, as imperfeições, sonhos de ilusão e desejos. Tudo pela boca de um morto, ou seja, alguém que não pode mais ser reprimido ou condenado por dizer o que pensa. Se o conteúdo de “Memórias Póstumas de Brás Cubas”, publicado em 1881, já é inovador e provocativo, em sua forma é mais ainda. Machado de Assis conversa abertamente com o leitor, rompendo com diversos conceitos da escrita linear ou formal. Ora erudito, ora popular, ora didático, ora poético ao extremo, ele desliza sua literatura em pouco mais de 300 páginas de puro prazer e genialidade.

Em pouco mais de uma hora, a encenação do Grupo Delírio busca dar forma e sentido a um romance tão fundamental para a cultura brasileira. É, ao mesmo tempo, uma reverência e uma homenagem ao maior romancista brasileiro.  É puro exercício de teatralização. Mais do que criação de personagens, é colocar o ator num estado de interpretação onde a intimidade da plateia aprofunda-se à medida que a literatura assim exige. Machado de Assis foi um escritor, pensador, quase filósofo. Deixou para as gerações um pensamento profundo sobre o homem e sua relação com a vida, com a política, com a família, com o próximo. Às vezes pessimista, às vezes irônico, às vezes suave e poético; ele continua tendo muito a dizer para as novas gerações. “Encená-lo é abrir uma porta para o melhor da cultura brasileira e uma oportunidade rara de pensar e refletir com o teatro e com a escrita original de um dos mais importantes romancistas de nosso país”, opina o diretor do espetáculo, Edson Bueno.

Serviço

“Memórias Póstumas + Machado de Assis”

Apropriação/adaptação do romance “Memórias Póstumas de Brás Cubas”, de Machado de Assis

25 de maio a 10 de junho de 2018

Sextas e sábados – 20 horas

Domingos – 19 horas

Local: Estúdio Delírio – Rua Saldanha da Gama, 69. Alto da XV (Curitiba-PR)

Ingresso: R$ 40 e R$20.

Direção Edson Bueno

Elenco: Diogo Cavazotti, Gabriel Comicholi e Robysom Souza

Iluminação: Leo Campos

Cenário: Robysom Souza

Sonoplastia: Edson Bueno

Figurino: José Rosa

A segunda semana do festival de cultura italiana Mia Cara Curitiba começa neste meio de semana com destaque para o teatro de Pirandello e o cinema de Pasolini. Quarta-feira e quinta será apresenta no Guairinha o espetáculo “Três Vezes Pirandello – Tragédia, Drama, Comédia”, homenageando o grande dramaturgo italiano Luigi Pirandello. Com direção de Roberto Innocente, a montagem do grupo Arte da Comédia faz um apanhado da carreira de Pirandello. Nos dois dias, a exibição é às 20h.
Na quinta, começa a Mostra “O Cinema Segundo Pasolini”, com filmes do diretor italiano Pier Paolo Pasolini. A Cinemateca terá quatro dias de exibições até o domingo, com produções selecionadas pelo curador Antonio Cava. Na abertura, haverá um bate-papo sobre o diretor com o crítico de cinema Paulo Camargo e o produtor Fernando Brito (DVD Versátil).
A programação completa na Cinemateca é a seguinte:
Quinta (24/5) – “O Evangelho Segundo São Mateus” (19h30); Sexta (25/5) – “Accatone, Desajuste Social” (18h) e “Mamma Roma” (20h); Sábado (26/5) – “Mamma Roma” (18h) e “Accatone, Desajuste Social” (20h); Domingo (27/5) – “RoGoPag, Relações Humanas” (18h) e “O Evangelho Segundo São Mateus” (20h).
Pasolini (1922 – 1975) foi um dos maiores nomes do cinema italiano. Sua obra une inquietação, poesia narrativa e polêmica muito particulares, retratando temas como política, religião e as estruturas sociais e familiares. Entre livros, poemas, ensaios e peças de teatro, realizou dezenas de filmes e marcou a sétima arte com sua produção.
O teatro de Pirandello
Pirandello foi um grande dramaturgo siciliano do fim do século XIX e início do XX, ganhou o Nobel de Literatura em 1934, dois anos antes de sua morte. Estudou Filosofia na Alemanha antes de se radicar em Roma. Deu origem ao termo “meateatro” ao retratar em suas peças a própria criação teatral e discutir seu desenvolvimento.
O grupo Arte da Comédia – Art Brazilian Comedy nasceu do encontro do diretor italiano Roberto Innocente, radicado em Curitiba, com atores e atrizes paranaenses em 2006. Seguindo a tradição da Commedia dell’Arte, gênero originado na Itália, busca pesquisar as “máscaras” brasileiras, que poderiam representar o povo. Produziram 14 espetáculos, quatro óperas líricas e uma intervenção urbana.
Sobre o Mia Cara
A realização é da Embaixada da Itália no Brasil e do Consulado Geral da Itália em Curitiba, com produção de Lucia Casillo Malucelli, diretora do Solar do Rosário, espaço particular de Arte e Cultura. O projeto foi viabilizado via Lei Federal de Incentivo à Cultura, do Ministério da Cultura, com patrocínio das empresas GME e Havan.
A comédia fala da febre contemporânea da autoexposição e da necessidade de estar online acompanhando tudo e todos. Espetáculo terá apresentação em Curitiba e em Ponta Grossa, nos dias 26 e 27 de maio
 

“Selfie”,em inglês, é um neologismo que significa “autorretrato”, e dá nome às fotos clicadas por aparelho celular e compartilhadas na internet. Em 2013, o verbete “selfie” foi eleito a palavra do ano, segundo o blog da Oxford University Press, ligado à universidade inglesa de mesmo nome. Esta escolha foi motivada pela constatação de que este verbete cresceu 1.7000% em 2013, o que confirma o seu status de uma das palavras mais procuradas em um ano.

O fenômeno estimulou e inquietou o produtor Carlos Grun, que se uniu aos atores Mateus Solano e Miguel Thiré, parceiros artísticos de longa data,  para refletir – e rir de tudo isso concebendo a criação teatral da comédia Selfie, que chega a Curitiba no dia 26 de maio (sábado) para apresentação única no Teatro Guaíra. No dia seguinte (27), a peça será apresentada em Ponta Grossa, no Cine Teatro Ópera.

Selfie tem o patrocínio do Grupo Bradesco Seguros e realização da Bem Legal Produções. Para dar forma ao desejo do trio, o ator, autor e diretor Marcos Caruso foi convidado para dirigir a comédia, cujo texto foi criado por Daniela Ocampo.

O espetáculo fala da febre contemporânea da autoexposição e da necessidade de estar online acompanhando tudo e todos. Desde que estreou, em outubro de 2014, a comédia já teve mais de 250 apresentações e  250 mil espectadores em três anos de sucesso no Brasil, Estados Unidos e Portugal.

“SELFIE”

26 de maio de 2018 (sábado), às 21h, Teatro Guaíra, Curitiba

Ingressos: https://www.diskingressos.com.br/event/7829

27 de maio de 2018 (domingo), às 19h, Cine Teatro Ópera, Ponta Grossa

Ingressos: https://www.diskingressos.com.br/event/7965 e no ponto de venda na Livraria Verbo na Av. Vicente Machado, 779

Classificação: 14 anos

Duração: 70 min

Circuito Cultural Bradesco Seguros

DOZE FLORES AMARELAS, foto silmara ciuffa

GIRA foto jose luiz pederneiras

Serão mais de 400 atrações, entre espetáculos teatrais, musicais, oficinas e palestras. Ingressos estão à venda no site, pelo aplicativo, no Shopping Mueller e ParkShoppingBarigüi

O Festival de Curitiba começa a transformar a capital paranaense em um palco pela 27ª vez. De 27 de março a 8 de abril, mais de 400 atrações – entre produções teatrais, musicais, variedades, debates, palestras, oficinas e gastronomia – reúnem artistas e plateias, do Brasil e do exterior, em mais de 90 espaços da cidade e da região metropolitana.

Teatros, praças, ruas e até uma Kombi e uma garagem se transformarão em ribalta para artistas conhecidos do público, como Denise Stoklos, Denise Fraga, Tuca Andrada, Ricardo Tozzi e Luisa Arraes, Mel Lisboa, Reynaldo Gianecchini, Caio Blat, Renata Sorrah, Malvino Salvador e banda Titãs.

Os ingressos para o Festival de Curitiba estão à venda pelo site www.festivaldecuritiba.com.br, pelo aplicativo “Festival de Curitiba 2018” e nas bilheterias instaladas no Shopping Mueller e ParkShoppingBarigüi. O valor dos ingressos varia entre gratuito e R$70. Há 384 sessões grátis e 138 no sistema “pague o quanto vale”, em que o público escolhe o quanto paga.

O Festival de Curitiba é composto por: Mostra 2018 – com espetáculos convidados por uma curadoria; Interlocuções – integra a Mostra com debates, palestras e eventos que aprofundam a experiência artística para o público, com programação gratuita;Fringe –  nesta edição traz centenas de atrações com participação espontânea de companhias; e o MishMash – show de variedades. Também fazem parte o Guritiba – o Festival para crianças; o Risorama – trazendo o stand up comedy há 15 anos ao Festival; e o Gastronomix – com música e delícias para o paladar.

Abertura e atrações

A coreografia “Gira”, do mineiro Grupo Corpo, abre o Festival e integra o Movva, divisão de dança da Mostra 2018, que inclui os espetáculos “Inoah” e “Corpo Sobre Tela”. Este ano, a Mostra tem 29 atrações convidadas pelo ator Guilherme Weber e pelo diretor Marcio Abreu, em sua terceira participação como curadores.

Sete trabalhos convidados são estreias nacionais: “Inoah”, “Denise Stoklos em Extinção”, “Domínio Público”, “Tristeza e Alegria na Vida das Girafas”, “A Ira de Narciso”, “Se o Título Fosse um Desenho Seria um Quadrado em Rotação” e “Cabaret Macchina”, da curitibana Selvática, com participação da cantora Karina Buhr e que se apresenta na Rua da Cidadania da Matriz. Estas duas últimas, mais os espetáculos “Colônia” e “The Machine To Be Another – A Máquina de Ser Outro” são atrações grátis da Mostra 2018.

Também há a pré-estreia de “Doze Flores Amarelas”, a ópera rock dos Titãs, de Branco Mello, Sérgio Brito e Tony Bellotto.

“The Machine to Be Another – A Máquina de Ser Outro” (Espanha), “Vamos Fazer Nós Mesmos – Let’s Do It Ourselves” (Holanda) e “Tristeza e Alegria na Vida das Girafas” ( França) são as três atrações internacionais da Mostra 2018.

Curadoria

Os curadores Guilherme Weber e Marcio Abreu convidaram os espetáculos da Mostra de acordo com o momento de intenso debate que o Brasil vive. Não à toa, um dos espetáculos da Mostra 2018 é “Domínio Público”. Em seu elenco estão os artistas que passaram a ser conhecidos popularmente como o homem nu do MAM (Wagner Schwartz), a travesti que interpreta Jesus (Renata Carvalho), o homem nu da bolha (Maikon K) e a mulher que permitiu que sua filha tocasse o homem nu do MAM (Elizabeth Finger).

“Domínio Público” é uma das coproduções celebradas pelo Festival de Curitiba, além de Denise Stoklos em Extinção, Se o Título Fosse um Desenho Seria um Quadrado em Rotação e A Ira de Narciso.

O que é o Festival de Curitiba

Verdadeira maratona cultural, o Festival de Curitiba começou em 1992 com 14 espetáculos e, ao longo de sua história, se transformou em um dos eventos mais tradicionais do calendário cultural brasileiro. Nasceu como Festival de Teatro de Curitiba e cresceu com a proposta de promover o encontro das artes com o entretenimento, se transformando em Festival de Curitiba.

Sob este nome ampliou seu foco de atuação, com o objetivo de atender novos e diferentes públicos, tomando o cuidado de manter-se como um canal de formação, atualização e reflexão, promovendo também debates, palestras e oficinas. Atualmente abriga o Festival de Teatro de Curitiba, com a Mostra 2018 e o Fringe; e os eventos simultâneos: MishMash, Guritiba, Risorama e Gastronomix.

Os segmentos do Festival de Curitiba

·         Mostra – Reúne os espetáculos convidados pela curadoria, formada por profissionais atuantes que acompanham o cenário nacional e internacional para traçar um panorama relevante e diverso do que é produzido;

·         Interlocuções: integrante da Mostra, e com programação inteira gratuita, o Interlocuções promove debates, oficinas, encontros, lançamento de livros, exibição de filmes e outras experiências para aprofundar a troca de ideias entre artistas e público;

·         Fringe – não tem curadoria, isto é, a participação é voluntária e os espetáculos recebem apoio de produção do Festival de Curitiba. Em 2018 serão 372 atrações, em 1500 apresentações. Algumas companhias se organizam por afinidades artísticas e criam suas próprias mostras dentro do Fringe. Este ano serão 20;

·         Guritiba – Voltado ao público infantil e juvenil chega a sua 10ª edição com espetáculos teatrais, musicais, além de promover ações sociais itinerantes;

·         MishMash – Com o foco em programação familiar oferece atrações variadas como mágica, malabarismo e comédia para divertir todas as idades;

·         Risorama – Sob os cuidados do humorista Diogo Portugal reúne os melhores performers de stand up comedy do país;

·         Gastronomix – Evento musical e gastronômico, carinhosamente chamado de “quermesse de alta gastronomia”, oferece um variado cardápio criado por grandes chefs brasileiros, a preços acessíveis, em um clima descontraído que muda a rotina do Museu Oscar Niemeyer no último final de semana do Festival.

Apresentadores, patrocinadores e apoiadores

O Festival de Curitiba tem parceiros fundamentais para sua realização e é apresentado pela Cielo, com patrocínio da Vivo, Denso do Brasil, Uninter, Copel Telecom, Sanepar, Governo do Estado, Ebanx, Tradener Comercialização de Energia e GRASP. A mobilidade oficial do Festival de Curitiba é Uber.

Os eventos simultâneos – Guritiba, MishMash e Risorama -, igualmente, contam com o apoio de parceiros importantes para levar a arte, cultura e entretenimento ao público.

O Guritiba é apresentado por Perkins Motores, Mili, Parati e Unimed Curitiba, com patrocínio da Caterpillar e New Holland e apoio da Peróxidos do Brasil e Brose do Brasil.

O Grupo Boticário, este ano, apresenta o MishMash, evento que tem também o patrocínio da Schattdecor.

O Risorama é apresentado pela Potencial Petróleo, Havan, Sistema Fiep e Madero. E este ano, o segmento de stand up comedy do Festival de Curitiba tem também o apoio da Aveo Vision e da FH.

O Gastronomix, quermesse de alta gastronomia do Festival de Curitiba, por sua vez, tem o patrocínio da Melitta, com apoio da Lowçucar, Da Magrinha, Booking.com e conta ainda com a Oxford Porcelanas como fornecedora da louça oficial do evento.

As bilheterias do Festival de Curitiba são uma parceria com o ParkShoppingBarigüi e o Shopping Mueller.

Ingressos

A venda dos ingressos será pelo site www.festivaldecuritiba.co m.br, pelo aplicativo “Festival de Curitiba 2018” e nas bilheterias oficiais do evento, no ParkShoppingBarigüi, com funcionamento das 11h às 23h, de segunda a sexta; no sábado, das 10h às 22h e, aos domingos, das 14h às 20h; e no Shopping Mueller, de segunda a sábado, das 10h às 22h, domingos e feriados das 14h às 20h.

O valor dos ingressos para os espetáculos da Mostra vai de gratuito a R$ 70,00 (inteira) mais taxa administrativa.

Os preços para os espetáculos do Fringe variam de gratuitos a R$ 60,00 (inteira), além da taxa administrativa.

Clientes Ebanx têm desconto de 50% em espetáculos da Mostra e do Fringe.

O ingresso do MishMash custa R$ 40 (inteira) mais taxa administrativa.

O preço da entrada do Risorama é R$ 70 (inteira) mais taxa administrativa.

O Gastronomix, este ano, custa R$ 12 (não consumível) mais taxa administrativa.

O Guritiba custa R$40 (inteira) mais taxa administrativa.

Serviço:

O que: 27.º Festival de Curitiba

Quando: De 27/03 a 08/04 de 2018.

Ingressos: www.festivaldecuritiba.com.br, aplicativo: Festival de Curitiba 2018 e nas bilheterias do Shopping Muller e ParkShoppingBarigui.

 

O show de mágica e improviso é voltado para todas as idades e acontece no dia 13 de outubro, no Teatro Rachel Costa, às 18h


 Na sexta-feira (13), o Teatro Rachel Costa, em Paranaguá, recebe o espetáculo Uma Série de Surpresas, do Grupo Fundo Falso, por meio do Caiçarinhas – Festival Infantil de Paranaguá, a partir das 18h.

Comandado por Ricardo Malerbi, a apresentação, com duração média de 50 minutos, une diversão, imaginação, raciocínio e mágica. Além disso, propõe um espaço de improviso e interação com o público, por meio da magia cômica, clássica e contemporânea. A trama começa com um ato musicado de mágicas sequenciadas, iniciando o contato entre mágico e público. Desse “encontro”, qualquer assunto pode surgir e o ilusionista interage com o público por meio de efeitos, histórias, argumentos e confissões. O espetáculo solo transita entre divertir a plateia, desafiar a imaginação, estimular o raciocínio, incitar o pensamento e criar encantamento, principalmente para crianças.

A peça  “Uma Série de Surpresas”, faz parte do Caiçarinhas- Festival Infantil de Paranaguá, que acontece de 12 a 15 de outubro na cidade de Paranaguá.

Os ingressos para os espetáculos pagos estão disponíveis nos pontos de venda, sendo na Confeitaria Vovó Virginia e na bilheteria do teatro – somente dinheiro- , pelo preço fixo de R$20 (inteira) e R$10 (meia), podendo também ser adquiridos pelo site, com o acréscimo de R$2 de taxa administrativa.

Tem direito à meia entrada os que levarem um brinquedo; estudantes; idosos (acima de 60 anos); jovens pertencentes a família com baixa renda (com idade entre 15 e 29 anos); professores (rede pública e particular de ensino); pessoas com deficiência e doadores de sangue.


Serviço:
Caiçarinhas – Uma Série de Surpresas
Data: 13 de outubro (sexta-feira).
Local:  Teatro Rachel Costa – Paranaguá| R. XV de Novembro, 87 – Paranaguá
Horário: Abertura dos portões: 17h | Previsão de início do espetáculo: 18h
Ingressos: R$10 (meia-entrada) até R$20 (inteira).
A meia-entrada é válida para estudantes, pessoas acima de 60 anos, professores, doadores de sangue e portadores de necessidades especiais (PNE).
São beneficiados com meia-entrada também pessoas que doarem um brinquedo em bom estado.
*Valores sujeitos a alterações sem aviso prévio.
Os ingressos podem ser adquiridos através do site Sympla www.sympla.com.br/caiçarinhas
Forma de pagamento: Boleto Online| Cartão de Débito | Cartão de Crédito
Pontos de Vendas: Bilheteria Teatro Rachel Costa | Vovó Virginia (somente em dinheiro)
Classificação: Livre.
Realização: Parnaxx
Oferecimento: Cattalini Terminais Marítimos
Informações: (41) 3425-1078

ORGANISMO KAFKA é um salto sem paraquedas para dentro da obra de Franz Kafka, um dos mais importantes escritores da dramaturgia universal. É fruto de uma dramaturgia original que coloca um escritor (alter ego do próprio Kafka) numa típica situação criada pelo próprio. K, o escritor é contratado para prestar serviços literários numa aldeia dominada por um castelo. Ao chegar na Aldeia ele se vê diante de um sistema hostil que parece mais condená-lo por ser escritor, do que recebê-lo como uma personalidade útil à sociedade. A aventura de K. na tentativa de chegar ao Castelo e prestar seus serviços é um verdadeiro pesadelo, armado e criado pelo próprio Kafka, para revelar os mil e um sistemas burocráticos inventados pela sociedade para reprimir a criatividade, a liberdade de expressão e o pensamento revolucionário. ORGANISMO KAFKA pode tanto ser visto como uma tragédia anunciada, como uma comédia de humor negro. Cabe ao público fazer a sua própria reflexão.

VALOR:
R$ 40,00
R$ 20,00

FICHA TÉCNICA
Texto e Direção de Edson Bueno
Figurinos de Áldice Lopes
Assistência de Figurino de Luisa Wolff
Elenco:
Douglas Lacerda, Guilherme Oliveira, Marcos Maciel, Rafael Wolff, Sandra Prado, Antonio Barros e Robysom Souza.

Estudio Delirio

Rua Saldanha da Gama, 69

SEXTA FEIRA – 20 HORAS

Alta gastronomia em pratos veganos, vegetarianos, entremeando hambúrgueres ou compondo hot dogs. Na cobertura de pizza, na composição de pratos ou, ainda, na montagem perfeita das delícias açucaradas. Não importa qual for a escolha. As 26 barracas do Gastronomix 2017 estão repletas de iguarias, para todos os paladares. O evento vai ocorrer nos dias 08 e 09 de abril, no Museu Oscar Niemeyer, em Curitiba. A vegana – inédita no repertório do evento – pode ser conferida na moqueca de pupunha do chef Douglas Beckert. Entre as opções vegetarianas a do chef Felipe Souza Rangel, que apresenta o ‘DIJONybeGood’, servido com salsicha vegetariana (ou tradicional), maionese vegana, no pão sem leite mais batata palha. Para completar, tomate seco, castanhas de caju, rúcula e um toque de mostarda Dijon Maile.

chef_Phelipe_Rangel

André Fontana

Entre as 26 opções de cardápios do Gastronomix 2017, dois deles estão temperados com ingredientes e sotaques mineiros dos chefs Felipe Rameh e de Flávio Trombino (ambos de Belo Horizonte). O toque da alta gastronomia dos profissionais poderá ser conferido no ‘Sanduíche de linguiça de cordeiro e coalhada seca de cabra’ do chef Rameh (Alma Chef) e também na barraca do chef Trombino, que vai preparar delicadas porções do ‘Arroz preguento do Bento Coxa – arroz com frango, cogumelos, quiabo grelhado e tomates cereja’ (Xapuri). A 9.ª edição do Gastronomix – primeiro evento de gastronomia ao ar livre do país, que desde 2008 reúne profissionais da cozinha de distintas regiões do Brasil – vai ocorrer nos dias 08 e 09 de abril, no Museu Oscar Niemeyer, em Curitiba/PR. O Gastronomix tem a curadoria do chef Celso Freire

Amanhã, 3/4, também no Paço da Liberdade, às 16h, será exibido o filme o Rei da Vela. Na terça-feira, o filme será novamente exibido e, desta vez, dois grandes nomes do teatro brasileiro vão comemorar 80 anos de vida na ocasião. Os fundadores do Teatro Oficina, José Celso Martinez Corrêa e Renato Borghi, nasceram em 30 de março de 1937. Com direção de Zé Celso e Noilton Nunes, o longa, filmado em 1971, ganhou cópia digitalizada para exibição no ano passado. Baseado na peça de Oswald de Andrade, o filme foi finalizado em 1982, quando Zé Celso voltou do exílio. O enredo fala do golpe do secretário Abelardo II contra seu rei, Abelardo I. Na peça, encenada pelo Grupo Oficina, o tom provocativo e transgressor incomodou a ditadura e o espetáculo chegou a ser censurado.