Tag

CAIXA CULTURAL

Browsing

foto guga melgar

O ator interpreta textos de Manoel de Barros, numa narrativa cheia de poesia e humor. Ele apresenta um novo olhar sobre a vida, numa linguagem inovadora e surpreendente.

A CAIXA Cultural Curitiba apresenta, dias 05, 06, 07 e 08 de julho de 2018, a peça “O Delírio do Verbo”, com o ator Jonas Bloch interpretando textos de Manoel de Barros. Uma narrativa cheia de poesia e humor, que traz um novo olhar sobre a vida, numa linguagem inovadora, surpreendente.

O renomado ator Jonas Bloch, com mais de cinco décadas atuando em televisão, teatro e cinema, apaixonou-se pelos textos de Manoel de Barros e selecionou os que se adaptavam ao teatro para realizar esse espetáculo.

Serviço:

Teatro: “O Delírio do Verbo”, com Jonas Bloch

Local: CAIXA Cultural Curitiba

Endereço: Rua Conselheiro Laurindo, 280 – Curitiba (PR).

Data: dias 05, 06, 07 e 08 de julho de 2018

Horário: de quinta a sábado, às 20h e domingo, às 19h.

Na estreia dia 05/07, haverá intérprete de libras e bate-papo com o ator.

Classificação indicativa: 14 anos

Duração: 50 minutos

Ingressos: R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia) – conforme legislação e correntistas que pagarem com cartão de débito CAIXA. A compra pode ser feita com o cartão vale-cultura.

*Vendas a partir do dia 30/06 (sábado), na bilheteria do local.

Bilheteria: (41) 2118-5111 (De terça a sábado, das 12h às 20h. Domingo, das 14h às 19h).

Lotação máxima: 125 lugares (2 para cadeirantes)

 

Alzira E & Tetê Espíndola (cred Arnaldo Black)

arnaldo black

Em temporada de quatro shows, irmãs revisitam seus repertórios e apresentam cancioneiro sertanejo

 

A CAIXA Cultural Curitiba apresenta o show das irmãs Tetê Espíndola e Alzira E, de 28 a 31 de julho. A dupla de cantoras, compositoras e instrumentistas dará destaque ao disco Anahí, gravado por elas em 1998, além de faixas que fazem parte da carreira solo de cada uma.

 

No palco, Tetê toca craviola e Alzira, violão e em dueto relembram momentos do álbum Anahí, com as músicasGalopeira (Mauricio C. Ocampo, por Pedro Bem), Merceditas (Ramon S. Rios), Meu primeiro amor (H. Gimenez, por J. Fortuna e Pinheirinho Jr.) e Serra da Boa Esperança (Lamartine Babo), entre outras. O roteiro traz ainda alguns clássicos dos Espíndola, como Kikiô (Geraldo Espíndola) e Mulher o suficiente (Alzira E e Vera Lúcia) e visitam o cancioneir genuinamente sertanejo. Apesar dos timbres e trajetórias singulares, as irmãs mostram intimidade em seus duetos, além de terem números individuais interpretando músicas de seus mais recentes trabalhos.

 

O novo disco de Tetê, Asas do etéreo, tem composições próprias e traz consagrados instrumentistas convidados: Egberto Gismonti, Hermeto Paschoal, Duofel, entre outros. Neste show, canta Amarelando e Aos elementais, composta em parceria com Luhli. Clássicos de sua carreira também estarão no programa, como Na chapada (com Carlos Rennó), CuiabáSertaneja (René Bittencourt), Vida cigana (Geraldo Espíndola) e Escrito nas estrelas (Carlos Rennó e Arnaldo Black).

 

Já Alzira E registrou em seu novo disco, O que eu vim fazer aqui, várias composições suas com Itamar Assumpção. No show, ela apresenta O norte e Itamar é, além de Sei dos caminhos, uma parceria de Itamar com Alice Ruiz, entre outras.

 

Tetê Espíndola

Nascida em Campo Grande (MS), Tetê Espíndola é a caçula entre sete irmãos e desde cedo se interessou por música. Aprendeu violão com o irmão Geraldo e, com mais três deles (Celito, Sérgio e Alzira), formou o grupo LuzAzul, apresentando-se na região. Em 1977 resolve seguir carreira em São Paulo. Ao assinar contrato com uma gravadora, o grupo muda de nome para Tetê e o Lírio Selvagem. Com 19 discos no currículo, venceu festivais e excursionou por todo o Brasil, bem como Europa.

 

Alzira E

Após o grupo Tetê e o Lírio Selvagem, Alzira E passou a se dedicar a sua carreira solo. Incorporando a música regional do centro-oeste à música pop, lançou oito discos, tendo como parceiros Almir Sater, Itamar Assumpção, Alice Ruiz, entre muitos outros.

 

Informações e entrevistas:

Heitor Humberto – (41) 9639-0234

heitor.humberto@grupoinforme.com.br

 

Serviço:

Música: Tetê Espíndola e Alzira E

Local: CAIXA Cultural Curitiba – Rua Conselheiro Laurindo, 280, Centro – Curitiba (PR)

Data: 28 a 31 de julho de 2016

Hora: quinta-feira a sábado, às 20h. Domingo, às 19h

Ingressos: vendas a partir de 23 de julho (sábado). R$ 20 e R$ 10 (meia – conforme legislação e correntistas que pagarem com cartão de débito CAIXA). A compra pode ser feita com o cartão vale-cultura.

Bilheteria: (41) 2118-5111 (de terça a sábado, das 12h às 20h. Domingo, das 16h às 19h)

Classificação etária: livre para todos os públicos

Lotação máxima: 125 lugares (2 para cadeirantes)

IMG_6192 1

cris lyra

O fim dos tempos é o foco de Tragédia: uma tragédia, com texto de Will Eno e direção de Carolina Mendonça. Temporada na Caixa Cultura,l em Curitiba,  de 21 a 24 de julho

 

Estreia nesta quinta-feira (21) a peça Tragédia: uma tragédia, texto do dramaturgo norte-americano Will Eno, com direção de Carolina Mendonça. As apresentações acontecem até o dia 24 de julho, na Caixa Cultural, em Curitiba.

 

Após uma tarde em que o sol se pôs para sempre, aparentemente, uma emissora de televisão envia repórteres às ruas para esclarecer o fato apocalíptico. No meio da noite que parece ser eterna, os jornalistas enfrentam seus medos e deixam temores pessoais falarem mais alto do que o dever de explicar o que parece ser inexplicável.

 

Conforme a noite avança e a possibilidade do fim do mundo ser real, os medos e anseios pessoais dos jornalistas tomam conta da transmissão. O texto, no entanto, não deixa claro se a luz de fato não voltará ou se o mundo está vivenciando apenas o cíclico, uma noite como outra qualquer.

 

 “O que esperar quando a humanidade se depara com o caos, o fim de todas as referências conhecidas? Uma equipe de jornalistas é capaz de identificar isto?”, questiona duplamente Carolina.

 

Para ampliar a imagem do comportamento profissional de jornalistas, personagens da trama, a equipe assistiu a várias matérias, principalmente, de situações extremas, como a de 11 de setembro, quando, inicialmente, ninguém sabia a dimensão dos fatos. “Observamos as reações de muitos jornalistas em coberturas de fatos extremos. Em muitos casos foi difícil para eles manter a distância profissional. Em diferentes momentos, o desconhecido afeta a todos”, afirma a diretora.

 

O que começa como crítica à cobertura jornalística, ao longo do texto se transforma em análise sobre como o ser humano testemunha catástrofes e o que o faz seguir vivendo em meio à tragédia, no escuro.

 

Ficha técnica

Dramaturgia: Will Eno. Tradução: Amanda Lyra. Direção: Carolina Mendonça. Elenco: Amanda Lyra, Carolina Bianchi, Zemannuel Piñero, Rodrigo Bolzan e Rodrigo Andreolli. Cenário: Theo Craveiro. Iluminação: Lucia Koch e Carolina Mendonça. Operação de luz: Lica Bastos. Som: Miguel Caldas. Figurino: Daniel Lie. Produção: Aura Cunha e Ludmilla Picosque. Fotos Cris Lyra. Produção local: Isa Flores. Assessoria de imprensa: Mada Pereira.

 

Serviço

Tragédia: uma tragédia

De 21 a 24 de julho de 2016

Quinta a sábado, às 20h; domingo, às 19h

Não recomendado para menores de 14 anos

Ingressos: vendas a partir de 16 de julho. R$ 10,00 e R$ 5,00 (meia – conforme legislação e correntistas que pagarem com cartão de débito CAIXA). A compra pode ser feita com o cartão vale-cultura.

 

CAIXA Cultural Curitiba

Rua Conselheiro Laurindo, 280

Curitiba / PR

Bilheteria: (41) 2118-5111. De terça a sábado, das 12h às 20h, domingo, das 16h às 19h

Oficina Super8

Inscrições para a oficina do Curta 8 ficam abertas até o dia 17 de julho 

 

A CAIXA Cultural Curitiba promove, nos dias 23 e 24 de julho, a oficina de cinema em super-8 do Festival Curta 8. As inscrições estão abertas até o dia 17 de julho e devem ser solicitadas pelo site www.curta8.com.br. Os participantes que forem selecionados irão produzir filmes totalmente captados e montados na câmera, que serão exibidos na mostra competitiva do festival.

 

A oficina é gratuita e segue a proposta de captação em tomada única, a exemplo de um novo tipo de festival de super-8 que vem conquistando o público em festivais na França, Espanha, Suíça e Alemanha. Nestes festivais são exibidos apenas filmes montados diretamente na câmera. Ao realizador é permitido utilizar qualquer efeito de manipulação fotográfica durante a exposição para criar efeitos ou transições nos cortes; contudo, é proibida qualquer edição posterior nas imagens captadas, o que exige do realizador planejamento prévio e conhecimento básico de fotografia de cinema.

 

O resultado dos filmes é sempre uma surpresa, tanto para o público como para os realizadores, que assistem ao filme pela primeira vez durante o festival. A sonorização do filme também fica a critério dos próprios realizadores, que podem optar pela execução de um CD com trilha sonora ou realizar performances, dublagens, ou mesmo a execução ao vivo do som a partir de instrumentos tocados durante a exibição do filme.

 

O resultado dos selecionados será divulgado no dia 19 de julho por e-mail e pelo site do festival www.curta8.com.br.

 

Informações e entrevistas:

Heitor Humberto – (41) 9639-0234

heitor.humberto@grupoinforme.com.br

 

Serviço:

Cinema: Oficina de Super 8 do Curta 8

Local: CAIXA Cultural Curitiba – Rua Conselheiro Laurindo, 280, Centro – Curitiba (PR)

Data: 23 e 24 de julho de 2016

Hora: Sábado, das 9h às 18h (com intervalo de uma hora) e domingo, das 9h às 13h

Inscrições: gratuitas pelo site www.curta8.com.br até 17 de julho

Resultados: dia 19 de julho por e-mail e pelo site do festival www.curta8.com.br.

Informações: (41) 2118-5111 (de terça a sábado, das 12h às 20h. Domingo, das 16h às 19h)

Classificação etária: Não recomendado para menores de 16 anos

Tragedia - Uma tragedia (cred Cris Lyra) 1

CRIS LYRA

Escrito com toques cômicos pelo norte-americano Will Eno, Tragédia: uma tragédia faz metáfora do desconhecido

 

A CAIXA Cultural Curitiba apresenta o espetáculo Tragédia: uma tragédia, de 21 a 24 de julho. Com dramaturgia do conceituado norte-americano Will Eno, a montagem mostra a equipe de um telejornal durante a cobertura do fim do mundo – apresentado como metáfora do desconhecido.

 

Após uma tarde em que o Sol se pôs, aparentemente, para sempre, a produção de um jornal de TV envia repórteres às ruas de uma cidade para esclarecer o suposto fato apocalíptico. No meio da noite que parece ser eterna, os jornalistas veem seus medos e temores falarem mais alto do que o dever de explicar aquilo que para eles parece ser incompreensível.

 

O trabalho é comandado pelo âncora Frank, diretamente do estúdio. Os repórteres estão espalhados pela cidade e fazem transmissões ao vivo. Enquanto a personagem Susana Constance busca testemunhas para falar sobre o que está acontecendo, Michel fica responsável por ouvir as declarações oficiais das autoridades. Fica no ar a dúvida, entretanto, se realmente é o apocalipse ou apenas mais uma noite normal.

 

O espetáculo começa como uma sátira à mídia jornalistíca e ao longo do texto se transforma em uma exploração minuciosa sobre como testemunhamos a catástrofe e o que nos faz seguir vivendo em meio à tragédia, no escuro. Will Eno explora os limites da linguagem e da comunicação como mediadoras de nossas experiências.

 

A diretora Carolina Mendonça optou por materializar uma atmosfera de ficção científica em algum lugar entre passado e futuro. “Busquei concretizar a escuridão e a fragilidade que isso provoca nos personagens. Também é muito forte o embate dos repórteres, que precisam falar sobre o desconhecido”, explica.

 

A montagem estreou em outubro de 2014, em São Paulo, e agora faz temporada por capitais brasileiras, com elenco formado por Amanda Lyra, Carolina Bianchi, Rodrigo Bolzan, Rodrigo Andreolli e Zemannuel Piñero.

 

Informações e entrevistas:

Heitor Humberto – (41) 9639-0234

heitor.humberto@grupoinforme.com.br

 

Serviço:

Teatro: Tragédia: um tragédia

Local: CAIXA Cultural Curitiba – Rua Conselheiro Laurindo, 280, Centro – Curitiba (PR)

Data: 21 a 24 de julho de 2016

Hora: quinta-feira a sábado, às 20h. Domingo, às 19h

Ingressos: vendas a partir de 16 de julho (sábado). R$ 10 e R$ 5 (meia – conforme legislação e correntistas que pagarem com cartão de débito CAIXA). A compra pode ser feita com o cartão vale-cultura.

Bilheteria: (41) 2118-5111 (de terça a sábado, das 12h às 20h. Domingo, das 16h às 19h)

Classificação etária: Não recomendado para menores de 14 anos

Lotação máxima: 125 lugares (2 para cadeirantes)

 

12/07/2016

Assessoria de Imprensa da CAIXA Cultural Curitiba (PR)

(41) 3544-5641

www.caixa.gov.br/imprensa | @imprensaCAIXA

www.caixa.gov.br/cultura