Cinemaskope

Sonho de estudar fora está cada vez mais próximo

17 de janeiro de 2016

001 (1)

Karen (segunda da esquerda para direita) está com os colegas de turma na Le Cordon Bleu

 

Certificado em inglês é um dos requisitos para que o desejo se concretize

 

Mergulhar de cabeça em outra cultura e ter contato diário com o idioma, os costumes, os habitantes e a gastronomia locais. O desejo tem protagonizado o sonho de muita gente que visualiza a oportunidade de fazer um intercâmbio. Se aproximar com a globalização que encurta distâncias e torna acessível o que antes se restringia à imaginação são características que fazem parte dos sonhos de muita gente. Formada em Gastronomia, com pós-graduação em Gestão Hoteleira, Eventos e Gastronomia, Karen Takizawa é um desses exemplos e acaba de concluir o curso de Confeitaria pela Le Cordon Bleu, na Austrália, filial de uma das escolas mais conceituadas do ramo no mundo.

 

A oportunidade surgiu quando a gastrônoma conquistou a primeira colocação em um concurso de sobremesas promovido em 2015. Premiada com uma bolsa de estudos de um ano de duração, ela pôde dedicar-se ao talento, que somado à dedicação e ao conhecimento técnico foram os ingredientes decisivos para tal proeza. “Nada melhor do que um intercâmbio para aperfeiçoar o idioma e obter a vivência cultural do lugar de estadia. Aqui aprendi que tudo é possível, mudei minhas aspirações e meu jeito de ser. Realizei o sonho de estudar fora e comecei outro, o de permanecer aqui”, relatou Karen, que antes da experiência, trabalhava no cardápio de sobremesas de um restaurante de culinária contemporânea em Curitiba.

 

Para embarcar rumo a terras estrangeiras ela precisou cumprir uma série de requisitos, dentre eles apresentar nota 5 no IELTS (International English Language Testing System), exame internacional solicitado pela maioria das universidades da Austrália, do Reino Unido e da Nova Zelândia, e reconhecido também pelas instituições americanas e canadenses. Com notas que variam de 1 a 9, ele é aplicado em 140 países e aceito por mais de oito mil organizações espalhadas pelo mundo ao indicar o nível de domínio do idioma do candidato.

 

“Suas duas finalidades são: avaliar a proficiência linguística ou para os casos de imigração ou para quem vai fazer graduação, mestrado ou doutorado. A validade é de dois anos e são avaliadas a produção e compreensão oral e escrita”, explica a coordenadora da Cultura Inglesa da Curitiba, Marry Verburg. Para capacitar os interessados, a escola oferta o curso preparatório específico para o IELTS, potencializando as chances de uma melhor pontuação. Para Marry, a reputação adquirida pela instituição ao longo dos anos se deve ao sucesso obtido pelos próprios alunos, seja com uma pós-graduação no exterior e um estágio em uma multinacional, seja com os resultados acima da média no vestibular e a ânsia de tornarem-se também professores de inglês.

 

Empenho, persistência e confiança em si mesmo são a chave para um bom resultado

 

Neste momento, restavam seis meses para que Karen cumprisse os critérios para concretizar o sonho. Diante da possibilidade de preparar-se com um curso, ela não hesitou. “O fator determinante para ter procurado a Cultura Inglesa foi a tradição e os incríveis feedbacks de amigos que estudaram por anos na instituição. Além disso, ela era responsável pela aplicação do IELTS anteriormente e pensei que teriam as pessoas certas para a minha preparação que precisava ser impecável”, ressalta.

 

A escolha não poderia ter sido melhor. Ao final do exame, a candidata superou a nota que precisava e diz ter alcançado tamanha façanha com confiança na professora e em suas próprias capacidades. “Ela foi essencial ao focar diretamente na estrutura da prova com dicas que iam além das aulas, como ouvir podcasts durante o trajeto até a escola. Superei o medo de perder essa chance incrível com a vontade de uma vida inteira de estudar fora”, comenta.

 

A rotina de Karen no novo país se dividiu conforme os semestres. No primeiro, as cinco aulas por semana tinham duração de oito horas cada e foram ministradas em Adelaide. Na sequência, o cenário mudou para Melbourne, onde ela adquiriu experiência na realização de eventos grandes por meio do estágio entre junho e dezembro no Crown Melbourne Casino. “As duas cargas horárias eram intensas, mas completamente prazerosas”, ressalva.

A conquista presentou a jovem com uma lição que promete acompanha-la por anos: manter-se firme, calmo e confiante dos próprios objetivos é o grande segredo para obter aquilo que se almeja. Mas este não foi o único legado da experiência. “A certificação me trouxe a possibilidade de estudar na escola que eu sempre quis e, com o intercâmbio, pude conhecer pessoas de diversas nacionalidades, que tiveram impacto na minha vida pessoal, acadêmica e profissional. A expectativa é conseguir também meu sponsorship visa e permanecer aqui por alguns anos”, finaliza.

 

Você pode gostar também