Cinemaskope

Concerto de abertura da 34ª Oficina de Música lota o Teatro Guaíra

10 de janeiro de 2016

Concerto de Abertura da 34ª Oficina de Musica de Curitiba - Foto Cido Marques (1)

MARCOS CORDIOLLI, PRES. DA FCC

Concerto de Abertura da 34ª Oficina de Musica de Curitiba - Foto Cido Marques (12)

GUSTAVO FRUET, PREFEITO DE CURITIBA

O concerto da Camerata Antiqua de Curitiba, com solos do violoncelista Antonio Meneses e dos cantores Luísa Favero, Ariadne Oliveira, Alexandre Mousquer e Cláudio de Biaggi, abriu na noite de quinta-feira (7) a 34ª edição da Oficina de Música de Curitiba. O espetáculo lotou o Teatro Guaíra, um dos palcos dos mais de 80 espetáculos programados para os 20 dias de festival.

            Uma plateia entusiasmada aplaudiu a performance da Camerata, sob a regência do maestro Cláudio Cruz, especialmente na execução do Concerto para violoncelo em Ré maior, de Franz Joseph Haydn, quando Antonio Meneses entrou em cena. Meneses é considerado um dos maiores violoncelistas do mundo, e está em Curitiba como concertista e também professor da Oficina.

            A Camerata abriu e encerrou o repertório com obras de Wolfgang Amadeus Mozart. O grupo de cordas tocou a Sinfonia nº 29 em Lá maior e, no final, com a sua formação completa, de coro e orquestra, apresentou a “Missa da Coroação”, com destaque para os solistas de canto, que também foram muito aplaudidos.  

           

            Solenidade – A solenidade de abertura da 34ª Oficina de Música contou com a presença do prefeito Gustavo Fruet, que declarou abertas as atividades desta edição, dando as boas-vindas a todos os participantes. Fruet agradeceu os apoiadores e as equipes da Fundação Cultural de Curitiba e do Instituto Curitiba de Arte e Cultura, realizadores do evento, um dos mais tradicionais e importantes da cidade.

            “Vivemos a maior crise econômica de nosso país, de efeitos e resultados ainda imprevisíveis, mas num momento como esse temos que ter a clareza de que este país tem pessoas e projetos que dão certo e são referência, como é a 34ª Oficina de Música”, disse. Fruet lembrou que essa Oficina cumpre o seu papel e toma uma dimensão maior em relação a outras edições. “Quando assumi em 2013, na primeira semana de realização do evento, não tínhamos o recurso empenhado para o seu funcionamento, mas agora, em 2016, já deixamos o recurso garantido, com toda segurança, para a Oficina de 2017”, anunciou.

            O presidente da Fundação Cultural de Curitiba, Marcos Cordiolli, lembrou que a 34ª Oficina tem uma característica especial. “É uma característica simbólica, em que a Oficina volta às suas origens e ganha espaço para reflexão, com palestras, debates e workshops, o que é fundamental nesse momento da cultura brasileira”, afirmou. Cordiolli destacou que a 34ª Oficina se realiza num momento muito difícil para o país, mas mesmo assim manteve o seu padrão.

 “A Oficina se realiza num momento particularmente muito difícil para o financiamento do Estado e dos governos brasileiros. E essa Oficina, assim como a Corrente Cultural e o Carnaval, não diminuíram. Fizemos um grande esforço, racionalizamos custos, buscamos aprimorar a gestão, estabelecemos parcerias inéditas, porque queríamos continuar cumprindo aquele nosso papel, que é o de fazer da Fundação Cultural o maior gestor de cultura da cidade, para 2 milhões de pessoas, para a toda a nossa população em todos os bairros”, destacou Cordiolli.

O presidente do Instituto Curitiba de Arte e Cultura, Marino Júnior, expressou a sua alegria de inaugurar a 34ª Oficina de Música. “É uma grande honra estar nesse palco, onde durante 20 anos atuei como ator e diretor de teatro, e hoje como gestor desse projeto tão importante para a nossa cidade”, disse. Marino prometeu entregar uma Oficina de Música com o mesmo padrão de qualidade, excelência pedagógica e variedade de eventos conquistados em todos esses anos.

           

Sede – Este ano, a Universidade Católica do Paraná é a sede do festival. Suas instalações estão ocupadas com a maior parte dos cursos e estão recebendo mais de 1.800 estudantes de música. Na solenidade, a diretora de Cultura e Esporte da PUC-PR, Sheila Reinher, agradeceu a oportunidade de realizar a parceria com o ICAC e a Fundação Cultural. “Para a PUC-PR é um prazer fazer parte deste projeto. No ano passado, ofertamos o nosso espaço para a fase de MPB e agora estamos novamente de portas abertas para receber as duas etapas da Oficina de Música. A PUC-PR é uma universidade que tem como base a formação do cidadão integral, do cidadão que vive a cidadania em sua plenitude. E isso é feito também com a música”, destacou a diretora da PUC-PR.

            A 34ª Oficina de Música acontece até 27 de janeiro, com 112 cursos divididos em duas fases, música erudita e música popular brasileira, além de uma extensa programação artística. Serão promovidos 80 eventos entre concertos, palestras, lançamentos de livros, workshops e exibição de filmes. O público tem dezenas de opções de espetáculos em espaços como o Teatro Guaíra, Teatro do Paiol, Capela Santa Maria, Teatro da Reitoria da UFPR e Sesc Paço da Liberdade. A programação completa está no site oficinademúsica.org.br.

 

Parceiros – Realizada pela Prefeitura Municipal e Fundação Cultural de Curitiba, por meio do Instituto Curitiba de Arte e Cultura (ICAC), a Oficina de Música 2016 tem o patrocínio da Copel, apoio master da PUC – Pontifícia Universidade Católica do Paraná, apoio do Banco do Brasil e apoio cultural do Centro Cultural Teatro Guaíra, Consulado Geral dos Estados Unidos em São Paulo, Consulado Geral da República da Polônia em Curitiba, Curitiba Hostel, Família Farinha, E-Paraná, Escola de Música e Belas Artes do Paraná, Faculdade de Artes do Paraná, Lumen FM, Secretaria de Estado da Cultura, SESC da Esquina e Paço da Liberdade, UFPR/Pró-Reitoria de Extensão e Cultura.

 

O concerto da Camerata Antiqua de Curitiba, com solos do violoncelista Antonio Meneses e dos cantores Luísa Favero, Ariadne Oliveira, Alexandre Mousquer e Cláudio de Biaggi, abriu na noite de quinta-feira (7) a 34ª edição da Oficina de Música de Curitiba. O espetáculo lotou o Teatro Guaíra, um dos palcos dos mais de 80 espetáculos programados para os 20 dias de festival.

            Uma plateia entusiasmada aplaudiu a performance da Camerata, sob a regência do maestro Cláudio Cruz, especialmente na execução do Concerto para violoncelo em Ré maior, de Franz Joseph Haydn, quando Antonio Meneses entrou em cena. Meneses é considerado um dos maiores violoncelistas do mundo, e está em Curitiba como concertista e também professor da Oficina.

            A Camerata abriu e encerrou o repertório com obras de Wolfgang Amadeus Mozart. O grupo de cordas tocou a Sinfonia nº 29 em Lá maior e, no final, com a sua formação completa, de coro e orquestra, apresentou a “Missa da Coroação”, com destaque para os solistas de canto, que também foram muito aplaudidos.  

           

            Solenidade – A solenidade de abertura da 34ª Oficina de Música contou com a presença do prefeito Gustavo Fruet, que declarou abertas as atividades desta edição, dando as boas-vindas a todos os participantes. Fruet agradeceu os apoiadores e as equipes da Fundação Cultural de Curitiba e do Instituto Curitiba de Arte e Cultura, realizadores do evento, um dos mais tradicionais e importantes da cidade.

            “Vivemos a maior crise econômica de nosso país, de efeitos e resultados ainda imprevisíveis, mas num momento como esse temos que ter a clareza de que este país tem pessoas e projetos que dão certo e são referência, como é a 34ª Oficina de Música”, disse. Fruet lembrou que essa Oficina cumpre o seu papel e toma uma dimensão maior em relação a outras edições. “Quando assumi em 2013, na primeira semana de realização do evento, não tínhamos o recurso empenhado para o seu funcionamento, mas agora, em 2016, já deixamos o recurso garantido, com toda segurança, para a Oficina de 2017”, anunciou.

            O presidente da Fundação Cultural de Curitiba, Marcos Cordiolli, lembrou que a 34ª Oficina tem uma característica especial. “É uma característica simbólica, em que a Oficina volta às suas origens e ganha espaço para reflexão, com palestras, debates e workshops, o que é fundamental nesse momento da cultura brasileira”, afirmou. Cordiolli destacou que a 34ª Oficina se realiza num momento muito difícil para o país, mas mesmo assim manteve o seu padrão.

 “A Oficina se realiza num momento particularmente muito difícil para o financiamento do Estado e dos governos brasileiros. E essa Oficina, assim como a Corrente Cultural e o Carnaval, não diminuíram. Fizemos um grande esforço, racionalizamos custos, buscamos aprimorar a gestão, estabelecemos parcerias inéditas, porque queríamos continuar cumprindo aquele nosso papel, que é o de fazer da Fundação Cultural o maior gestor de cultura da cidade, para 2 milhões de pessoas, para a toda a nossa população em todos os bairros”, destacou Cordiolli.

O presidente do Instituto Curitiba de Arte e Cultura, Marino Júnior, expressou a sua alegria de inaugurar a 34ª Oficina de Música. “É uma grande honra estar nesse palco, onde durante 20 anos atuei como ator e diretor de teatro, e hoje como gestor desse projeto tão importante para a nossa cidade”, disse. Marino prometeu entregar uma Oficina de Música com o mesmo padrão de qualidade, excelência pedagógica e variedade de eventos conquistados em todos esses anos.

           

Sede – Este ano, a Universidade Católica do Paraná é a sede do festival. Suas instalações estão ocupadas com a maior parte dos cursos e estão recebendo mais de 1.800 estudantes de música. Na solenidade, a diretora de Cultura e Esporte da PUC-PR, Sheila Reinher, agradeceu a oportunidade de realizar a parceria com o ICAC e a Fundação Cultural. “Para a PUC-PR é um prazer fazer parte deste projeto. No ano passado, ofertamos o nosso espaço para a fase de MPB e agora estamos novamente de portas abertas para receber as duas etapas da Oficina de Música. A PUC-PR é uma universidade que tem como base a formação do cidadão integral, do cidadão que vive a cidadania em sua plenitude. E isso é feito também com a música”, destacou a diretora da PUC-PR.

            A 34ª Oficina de Música acontece até 27 de janeiro, com 112 cursos divididos em duas fases, música erudita e música popular brasileira, além de uma extensa programação artística. Serão promovidos 80 eventos entre concertos, palestras, lançamentos de livros, workshops e exibição de filmes. O público tem dezenas de opções de espetáculos em espaços como o Teatro Guaíra, Teatro do Paiol, Capela Santa Maria, Teatro da Reitoria da UFPR e Sesc Paço da Liberdade. A programação completa está no site oficinademúsica.org.br.

 

Parceiros – Realizada pela Prefeitura Municipal e Fundação Cultural de Curitiba, por meio do Instituto Curitiba de Arte e Cultura (ICAC), a Oficina de Música 2016 tem o patrocínio da Copel, apoio master da PUC – Pontifícia Universidade Católica do Paraná, apoio do Banco do Brasil e apoio cultural do Centro Cultural Teatro Guaíra, Consulado Geral dos Estados Unidos em São Paulo, Consulado Geral da República da Polônia em Curitiba, Curitiba Hostel, Família Farinha, E-Paraná, Escola de Música e Belas Artes do Paraná, Faculdade de Artes do Paraná, Lumen FM, Secretaria de Estado da Cultura, SESC da Esquina e Paço da Liberdade, UFPR/Pró-Reitoria de Extensão e Cultura.

Você pode gostar também